Oração e Missão

26 out 2013 15:47Bispo

No Brasil, a Igreja adotou a celebração dos meses temáticos para realçar os diversos aspectos da sua missão evangelizadora. Outubro é o mês do rosário e das missões. A oração é o sustento da missão. O rosário é uma devoção apreciada por Nossa Senhora e rezada pela Igreja. Quando a virgem Maria apareceu em Fátima, Portugal, disse aos pastorinhos Francisco, Jacinta e Lúcia: “rezem o terço todos os dias”.

A oração do rosário é composta de quatro mistérios: gozosos, luminosos, dolorosos e gloriosos. Os mistérios recordam as experiências humanas e espirituais vividas por Jesus no seu itinerário pascal. Rezar o rosário é rezar a própria vida. Desse contato espiritual e diário com Deus, mediado pela virgem Maria, caem chuvas de graças sobre o povo de Deus. A fé no Deus vivo, na sua presença real em nossa vida e o diálogo orante com o Salvador nos fazem crescer na esperança e no amor. A oração nutre a fé e a fé alimentada torna-se testemunho. A fé operante converte os corações e transforma o mundo. É necessário abrasar a fé com a recitação do santo rosário e a leitura orante da palavra de Deus. A Igreja se faz discípula pelo amor e apostólica pela fé.

Hoje, ser missionário é ir em busca das ovelhas perdidas nas periferias existenciais e geográficas da sociedade. A missão existe para comunicar a misericórdia de Deus. Conhecer e experimentar o amor de Deus é um convite à conversão. O amor ressuscita o pecador. Sua voz ecoa no profundo do ser, desperta o desejo de voltar a viver e ser feliz. Quem ama se opõe a tudo o que dificulta ou impede a felicidade em si e nos outros. Pela oração o discípulo vence o medo de amar e de renunciar a si mesmo, para edificar a própria vida sobre Jesus Cristo e sua palavra.

O missionário ama com o coração e crer com as mãos; assim, ele resiste a tentação de se conformar com esse mundo, torna-se fraterno, orante e apostólico. O bom missionário é bênção para o povo. Seu apostolado consiste em participar da missão de Jesus, cujo objetivo é salvar as pessoas. A missão, por vezes, é caminho de cruz, que experimenta provação e morte. Mas é também expressão de fé na ressurreição, que sustenta o testemunho, mesmo diante do martírio.

Ser discípulo é nutrir-se do amor para ser amor; ser apóstolo é transformar o amor em serviço. É fácil amar o próximo com palavras, sobretudo quando ele está distante, difícil é amá-lo na convivência diária: na paciência, no perdão, na caridade. Amar o próximo é tratar o outro como desejo ser tratado. A oração e a missão ensinam a viver a fé como serviço a Deus e aos irmãos. O discípulo que reza aprende a ser atento, aberto e pronto para servir ao próximo.

E quem é o próximo? É aquele que, aqui e agora, precisa dos meus cuidados. Que o mês missionário propicie experiências espirituais de oração e ação em favor daqueles que mais precisam da misericórdia de Deus.

Oremos pelos discípulos e missionários da Igreja, que renunciam seus bens e suas comodidades para ir ao encontro dos irmãos. Jesus nos ensinou: o amor não é posse, é dom de si. Um dom que carece sempre mais de proximidade, sensibilidade, humanização, delicadeza, serviço. No seguimento de Cristo, o primeiro anúncio do evangelho é o testemunho de vida.

Que o espírito missionário repouse sobre nosso clero e toda a diocese de Paracatu. Confiamos a Santa Terezinha do menino Jesus, padroeira das missões, toda ação evangelizadora da nossa igreja. Neste mês de outubro, agradecemos ao bom Deus pela ordenação de três novos sacerdotes para o presbitério paracatuense: Genilson, José Ailton e Joel. Sob a proteção de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil, roguemos ao Senhor as bênçãos para a nossa Pátria e o envio de operários para a sua messe. Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo!

Dom Jorge Alves Bezerra, SSS
Bispo Diocesano
Diocese de Paracatu - MG

© 2011 - Mitra Diocesana de Paracatu. Todos Direitos Reservados.

Desenvolvido por MNDTI


Acessos: 1.495.236