PÁSCOA É VIDA NOVA ALELUIA!

15 abr 2014 01:17


Páscoa é salvação que vem de Deus. Quanta alegria! A primeira razão da nossa alegria é o próprio Deus, cuja bondade excede toda medida. Com o coração agradecido, entoemos um cântico de júbilo e reconhecimento pelas maravilhas operadas pelo Senhor. Abril é o mês da Páscoa. Após quarenta dias de exercícios espirituais, a comunidade eclesial celebra solenemente a Ressurreição do Senhor. A Páscoa é a festa mais importante da Igreja, dura cinquenta dias, e nela os fiéis ressuscitam com Cristo. Páscoa é vida nova! Em que consiste esta novidade? Sem dúvida, na Ressurreição de Cristo, na sua vitória sobre a morte. Este é o fundamento da nossa fé e a razão da nossa esperança. A fé pascal transforma medo em coragem, tristeza em alegria, restitui a paz. É na força da páscoa que os cristãos enfrentam as mazelas do mundo. Libertos do pecado, os homens novos convertem-se em ardorosos defensores da vida: combatem a miséria, a exploração e a impunidade; manifestam indignação ética contra tudo o que violenta a dignidade humana e alimenta as injustiças. Quem vive segundo o Espírito do Senhor converte-se ao amor e renova a conduta. Converter-se ao amor é submeter-se inteiramente a Deus, estar a seu dispor, preocupar-se unicamente com o seu reino. É romper com tudo o que é obstáculo para o seu serviço, suportar com alegria perseguições, desprezos e mesmo a morte pela causa de Deus. No homem novo, os modos habituais de ser e de agir, de pensar e de trabalhar são radicalmente orientados para o bem do próximo e à maior glória de deus. Na ressurreição, o Senhor comunica uma nova vida àqueles que crêem no poder do amor. Essa novidade irrompe como graça, porque se trata da libertação integral do homem, operada por deus em todos os níveis. No cotidiano da vida ressuscitada, os homens e as mulheres tornam-se testemunhas autênticas do Senhor. A luz de Cristo dissipa toda escuridão, dá segurança e coragem profética para trilhar os caminhos da justiça e da paz. No gozo da vida nova os cristãos assumem três atitudes básicas: entregam-se incondicionalmente à providência divina, orientam seus passos nos caminhos do Senhor e cumprem com os deveres normais do seu estado de vida. De fato, a Igreja e a sociedade necessitam de testemunhos de fé sólida e definida, cuja intensidade espiritual revele uma ética evangélica veraz e coerente. A espiritualidade pascal manifesta a vida do Ressuscitado na vida dos cristãos. Se Cristo vive no seu povo, então o mandamento do amor ao próximo deveria permear todo o tecido social: famílias, jovens, periferias, ruas, hospitais, instituições de caridade, universitários, profissionais liberais, operários e especialmente as casas de custódia, presídios e meios políticos. Quem ama não rouba, não é violento, não mata, não trafica os irmãos, não os engana com falsas promessas, nem infringe seus direitos. Os discípulos do amor trabalham para o reino da verdade, da justiça e da paz. O compromisso mais importante do ser humano é viver o amor. É ser amor no ambiente da sua convivência; aí, ser justo, fiel e construtor de paz. Viver a Páscoa é ser Evangelho vivo, é conservar a comunhão com Deus e manter o eu devotado ao outro, isto é, amar com pureza de coração, sem limites, com generosidade. Peço ao bom Deus que os meus diocesanos queiram viver assim. Minha bênção e votos de frutuosa Páscoa. Aleluia, louvemos o Senhor, aleluia!

Dom Jorge Alves Bezerra, SSS
Bispo diocesano de Paracatu - MG


© 2011 - Mitra Diocesana de Paracatu. Todos Direitos Reservados.

Desenvolvido por MNDTI


Acessos: 1.495.246