Ordenação Presbiteral do Diácono Fabiano Mundim Alves

5 abr 23:52Ord Pe Fabiano Mundim

Ordenação Presbiteral do Diácono Fabiano Mundim AlvesPe. Fabiano Mundim Alves, foi ordenado presbítero no dia 25 de Março de 2017 por imposição das mãos e oração consecratória de Dom Jorge Alves Bezerra, SSS, Bispo Diocesano de Paracatu. Concelebraram a Eucaristia, Dom Leonardo de Miranda Pereira, Bispo Emérito de Paracatu, Dom Benedito Gonçalves do Santos, Bispo Diocesano de Presidente Prudente e dezenas de padres provenientes das Paróquias da Diocese de Paracatu e de outras dioceses que Pe. Fabiano Mundim conheceu quando no seminário.

Ao final da Celebração, Dom Jorge comunicou que Pe. Fabiano Mundim iniciará seu ministério como Vigário Paroquial na Paróquia Santíssimo Sacramento após a semana santa.


Confira, na íntegra, a Homilia proferida por Dom Jorge:


“Sei em quem pus minha Confiança”
(2Tm 1,12)


Saudações... A Diocese de Paracatu, a comunidade paroquial de Santo Antonio – Catedral, tem a honra de acolher o clero, familiares e amigos do Diácono Fabiano para celebrar o Mistério Pascal do Senhor e dentro desta solenidade ordenar presbítero um filho desta Paróquia. Agradecemos, desde já, ao pároco, Pe. Marcos Antonio, pelo generoso emprenho na organização e execução deste evento eclesial. Dou as boas vindas a todos e desejo que esta celebração acenda o fogo do Amor de Deus nos corações.

Ser padre é uma vocação, um dom e uma graça para ser bem aproveitada. Os ministros ordenados são escolhidos por Deus antes de serem formados no seio materno; antes do nascimento, Deus os separa e consagra para seu serviço. Aquele que escolhe é o mesmo que cuida. Não precisa ter medo da escolha de Deus; é necessário ter fé. E uma fé obediente, sempre disposta a colaborar com o Senhor. Quem crê em Deus torna-se firme como o Monte Sião. Deus o transforma numa coluna de ferro, numa muralha de bronze e faz do seu eleito uma cidade fortificada. Portanto, jamais temer, confiar sempre, porque o Senhor é sua força, sua defesa e sua vitória.

O Sacerdócio é uma opção de fé que o homem faz para viver de modo simples, transparente e servidor. O sacerdote é o libro aberto de Cristo, onde esse lê: amor, caridade, humildade, pureza e santidade. Quem está a altura de missão tão elevada? Na verdade, Pelos caminhos do amor à perfeição das virtudes. Não porque sejamos capazes por nós mesmos, mas essa capacidade vem de Deus. É o Espírito do Senhor que forma, em nós, um estilo de vida evangélica baseada no dom de si, que nasce da Eucaristia celebrada e testemunhada. Sob a guia do Espírito, tornamos capazes de exercer o ministério de uma aliança nova e eterna selada com o Sangue do Cordeiro. É uma aliança gravada no coração, de onde jorra a água viva do Espírito para saciar a sede de Deus em outros corações.

O estado da vida sacerdotal é, particularmente, centrado na Eucaristia. Dito de outra forma, a espiritualidade sacerdotal é intrinsicamente eucarística. A fonte desta espiritualidade encontra-se já nas palavras do Bispo pronunciadas na liturgia da ordenação: “Recebe a oferenda do povo santo para apresenta-la a Deus, toma consciência do irás fazer. Traduz em testemunho de vida o irás realizar e conforma a tua vida com o mistério da cruz do Senhor” (cf. Pontifical Romano, n. 1501).

Para conferir à sua existência uma forma eucarística cada vez mais perfeita, o sacerdote deverá reservar amplo espaço para o cultivo da vida espiritual. O padre é chamado a ser um autêntico buscador de Deus. Embora ao mesmo tempo permaneça solidário com as situações que afligem as pessoas. Uma vida espiritual profunda traz inúmeros benefícios para o ministério do sacerdote. A comunhão com o Senhor, a graça de deixar-se possuir pelo amor de Deus e de ser testemunha desse amor, exercendo a misericórdia, mesmo em circunstâncias adversas.

Para manter a forma espiritual, a igreja recomenda aos sacerdotes a celebração diária da Santa Missa, mesmo quando não houver participação de fiéis, além da liturgia das Horas. A celebração cotidiana da Eucaristia é prescrita, sobretudo por causa do seu valor infinito de Santificação do próprio sacerdote e da comunidade. A eficácia espiritual da Eucaristia é formadora no sentido mais profundo do termo, porque promove a configuração com Cristo e reforça o sacerdote na sua vocação. A espiritualidade eucarística do sacerdote deve leva-lo a uma autentica transformação moral. A vida moral, íntegra possui o valor de um culto espiritual autentico, celebrado na justiça e na verdade. A perfeita glorificação de Deus é uma vida santa, cuja fonte perene é a Santíssima Eucaristia. Ao celebrar o Mistério Pascal, fonte da Charitas Christi, o sacerdote e os fiéis comungam do amor doação do Senhor. E assim ficam habilitados e comprometidos a viver esta mesma caridade em todas as atitudes e comportamentos de vida.

Na comunhão eucarística está contido o ser amado e o amor aos outros. Uma eucaristia que não se traduz em amor e serviço é incompleta. É preciso acolher o dinamismo do amor celebrado, entregar-se ao amor e ser amor no coração da Igreja e na sociedade. Receber e hospedar o Senhor no coração é transformar-se, como aconteceu com Zaqueu, que recebeu Jesus em sua casa, isto é, na sua vida interior. Ele se converteu, deu metade dos seus bens aos pobres e restituiu quatro vezes mais a quem roubou. Quem recebe Jesus e o leva a sério transforma=se moralmente.

Não é só a carne que está fraca e podre em nossa sociedade; podres e enfraquecidos estão também todos aqueles que comungam o Corpo do Senhor, mas não se transformam moralmente. Receber Jesus em nossa vida implica não só uma atitude de gratidão sincera, mas também de reconhecimento da proximidade do Senhor, que nos chama à conversão. Receber o Espírito do Senhor é dispor-se a ser um homem novo, um colaborador eficiente na missão de evangelizar, a cuidar dos pobres e aflitos.

A cruz do povo brasileiro é muito grande e extremamente pesada, sobretudo para os pequenos e humildes. Os grandes fraudadores e devedores da Previdência Social não são os pobres, mas os mega empreendedores. Estes sim devem bilhões à Previdência Social, ou melhor, ao pobres, cujos direitos são negados por causa do relativismo moral e ético adotado na gestão dos seus negócios. Infelizmente, a decomposição moral de boa parte das autoridades constituídas serve tão somente para beneficiar aqueles que verdadeiramente governam, mandam e desmandam no Brasil, os mega empresários.

O padre não é um agente político partidário, mas é um cidadão cujas ações evangélicas dever ter um reflexo positivo na vida sociopolítica brasileira. A unção recebida e o envio em missão são iniciativas de Deus para o sacerdote cuidar dos pobres. Anunciar a boa nova aos humildes, curar as feridas da alma, pregar a redenção aos cativos, a liberdade aos presos, proclamar a graça e substituir a aflição pela alegria. Em Deus será possível dominar com vigor todos os inimigos do povo e das almas santas. Para tanto, o Espirito a ser comunicado não será de timidez, mas de fortaleza, de amor e sobriedade.

Guarda com todo cuidado o dom recebido nesta celebração pela virtude do Santo, que doravante repousará para sempre sobre sua vida. A base do sacerdócio é o amor, o dom de si ao Senhor e ao seu povo. A pergunta de Jesus a Simão Pedro é fundamenta: Simão, filho de João, tu amas mais do que estes? Pedro disse 3x: Sim, sim e sim. Jesus disse 3x: cuida dos meus cordeiros, seja pastor das minhas ovelhas; cuida das minhas ovelhas. Depois de Pedro dizer que o amava, Jesus disse: Segue-me! Então o amor a Jesus é condição irrenunciável para seu seguimento. Logo, o discipulado do padre é fundamentado no amor, cuja base aguenta toda carga do ministério, mesmo as mais pesadas como a cruz e a morte. Com o salmo 63(62) a Igreja reza: a graça e o amor a Deus velem mais que a vida. Importa bendizer e proclamar o amor a Deus em todo tempo, em qualquer lugar e nas diversas circunstancias. O padre é homem obstinado pelo amor. Se não o for, não será um bom padre. A unção sacerdotal é a unção do amor que caracteriza os seguidores do Messias, o ungido de Deus. O revestimento do amor é a blindagem contra o egoísmo e toda forma de desamor. O padre é o discípulo do amor. Que o bom Deus e a Santa Mãe Maria façam do Diácono Fabiano um comunicador fiel do amor do Senhor. LSNSJC!!!



Paracatu-MG, 25 de Março de 2017
Solenidade da Anunciação do Senhor
Terceira Semana da Quaresma
+ Jorge Alves Bezerra, SSS
Bispo de Paracatu-MG




Fotos: http://www.portalparusia.com/

17342488_1416155535071977_1828353913978188256_n.jpg17425102_1416155338405330_1738626831099246911_n.jpg17425151_1416155515071979_8835500301059545264_n.jpg17426161_1416155395071991_455951960378644263_n.jpg17498781_1416155405071990_3773402351410986980_n.jpg17498954_1416155598405304_1120402854304648852_n.jpg17499274_1416155348405329_7341132969031650138_n.jpg17499476_1416155638405300_8083966583857526296_n.jpg17522831_1416155625071968_3079672576121326618_n.jpg17522846_1416155641738633_5180602752058038607_n.jpg17522917_1416155575071973_3908430801907271227_n.jpg17523084_1416155565071974_5003283735419227281_n.jpg17553398_1416155345071996_2978828268897903698_n.jpg17553876_1416155408405323_4061844209288358736_n.jpg17554407_1416155678405296_5859400717450947770_n.jpg

© 2011 - Mitra Diocesana de Paracatu. Todos Direitos Reservados.

Desenvolvido por MNDTI


Acessos: 1.470.959